Buscar
  • capriconecta

Você tem que conhecer: Gislene Sousa

“O segmento do jeans tem enorme relevância social, pois é uma cadeia que envolve milhares de pessoas, abrindo oportunidades e fonte de renda pra muitas famílias” - Gislene Sousa


Natural de Fortaleza, Ceará, há mais de 20 anos que a estilista Gislene Sousa atua no mercado de jeanswear. Eternamente encantada com as infinitas possibilidades que o universo do Denim proporciona, tem experiência em criação e desenvolvimento de produtos nas marcas D’Metal, Missnina e atualmente completa ao todo mais de 14 anos na Handara, marcas fortalezenses raiz. Vestir o Nordeste com o melhor que o jeans pode oferecer é uma de suas paixões. Através das empresas em que atuou, teve a oportunidade de viajar ao exterior participando de eventos internacionais de moda e trazendo ao Brasil diversas referências.


Gislene é graduada em Design de Moda pela Universidade Federal do Ceará (UFC), fez sua pós-graduação em Criação de Imagem e Styling de Moda no SENAC, em São Paulo, e, através do Sindicato de Confecção do Ceará, cursou Social Mídia e Estratégias de Merchandising no Circuito Moda New York. Recentemente também participou do curso Do Algodão ao Denim, da Denim City SP.


Ela é uma das desenvolvedoras das jaquetas exclusivas da Capri, com tema Jeans do Brasil, feitas com nosso tecido Algarve, o original Denim 100% algodão.


Falamos com Gislene pra saber mais sobre sua história, como o Nordeste a inspira em suas criações de jeanswear, entre outros assuntos. Confira a entrevista:

Gislene Sousa: Foi sem muita pretensão que escolhi fazer faculdade de estilismo e moda na UFC, mas me apaixonei! Na conclusão do curso, tive que fazer estágio supervisionado, então fui apresentada ao mundo azul do Denim, e hoje já são mais de 20 anos nesse mundo. Só tenho a agradecer por trabalhar com moda, porque eu amo o que eu faço.


Pra mim, trabalhar com jeans é realizador! Eu simplesmente amo trabalhar com jeans e hoje já é totalmente natural pra mim, então me divirto muito


“Básico, clássico e romântico”


Gislene Sousa: Ao idealizar minhas criações, observo principalmente o clima, a anatomia e o lifestyle das consumidoras, pois sou do Nordeste, onde a silhueta feminina não é tão longilínea. Não costumo inserir muito artesanato da região, para que o produto não fique caricato, visto que trabalho pra indústria no segmento de jeanswear e minha demanda ainda é muito em cima de tendências de mercado.


Gislene Sousa: Nesses 20 anos no segmento de jeanswear, destaco showrooms e desfiles, que foram muito prazerosos de participar. O Festival de Moda de Fortaleza, o Ceará Summer Fashion e a Dragão Fashion são os principais, nos quais estive presente com as marcas em que atuei. Também através destas empresas, viajei muito ao exterior, participando de feiras de moda como a Bread & Butter, na Alemanha e na Espanha.


“O segmento do jeans tem enorme relevância social, pois é uma cadeia que envolve milhares de pessoas, abrindo oportunidades e fonte de renda pra muitas famílias”


Amo trabalhar calças jeans e, principalmente, modelagens que embelezam e levantam a autoestima da mulherada.”



Gislene Sousa: Acredito que já estamos no caminho com a preocupação de poluir menos, usar menos água e utilizar matéria-prima sustentável. Esse é um processo, e o primeiro passo já foi dado, que é a conscientização.


“Escolher e focar em qual é o seu segmento. Aprofundar-se em práticas diárias, fazendo estágios pra conseguir repertório e experiência, que facilitarão e deixarão o trabalho fluir naturalmente”


Gislene Sousa: Ceará é a terra do sol e dos verdes mares, que tem um povo bem humorado e um dicionário com expressões peculiares. “Mais não precisa ficar aperreado e nem quebrar o quengo”, pois os significados já estão na internet!


Muitos são nossos símbolos, o jangadeiro, o vaqueiro, as rendeiras… Escolhemos a rede pra representar esse trabalho pois esse objeto é unânime na vida dos cearenses, utilizamos o cordão que faz o punho das redes pra ornamentar nossa jaqueta e fizemos um entrelaçamento dos cordões que remete às redes dos pescadores”


Por fim, representamos o desenho das rendas de bilro em tamanho maximizado no tecido Algarve Royal, que permite uma lavagem marmorizada, deixando as costuras bem marcadas.


Deixe seu conhecimento pela moda brasileira “correr frouxo” e siga Gislene no Instagram: @gislene37



9 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo